*

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Quando o amor vir.



Quando o amor vir.

Entregai-vos, pois 
nele muitas provas virão.
Momentos felizes e tristes...
Ficarão cicatrizes.
Uma flor brotará no coração.
E regar com as águas cristalinas 
da imaginação

E amar deixando
todas as cores reluzir.
Quando amor vir... Se entregar.
Deixá-lo por inteiro o peito ocupar.
Voar nas asas e dá asas levar
aos sonhos, ir e voltar.
E amar...

Quando amor vir...
Os espinhos que 
virão com a flor aparecer.
O mundo não mais parecer azul... 
Escurecer!
E quando o céu parecer desabar... 
Chorar.
Sim... Chorar, chorar e chorar.
E esperar que esta larva que 
Queimou...
Apagar, apagar, apagar.

Marisa Torres
© Direitos reservados.


sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Hoje Sou Invisível *



Hoje Sou Invisível *

Queria tirar do meu coração tudo que me faz mal
Que me tira o sorriso, dando lugar as lagrimas,
Que deixam em meus lábios o amargo gosto de não te ter
Eu queria arrancar isso de mim...

Mas quando em minha inocência tento,
Parte do meu coração também sai,

E dói...

Dói mais que a dor, de você em mim...

Esse sofrer apegou-se a minha alma,
E se pudesse eu apagar o sol com um beijo,
Poderia então, me ver livre desse cárcere de grades imaginaria
No qual cumpro pena por Amar...

Não lhe culpo por não me notar
Pois estou tão perto, que me tornei invisível
Mas digo-lhe: Pior que não enxergar um Amor,
Deve ser, enxergá-lo pela lupa da saudade...

Por: Paulinha  & Fulvio Ribeiro

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

POR TANTAS RAZÕES TE AMEI





POR TANTAS RAZÕES TE AMEI

Procurei no amor
todas as razões para sermos felizes
e por tantas razões te amei.
Tentei fazer deste amor
o sentimento que transcendesse a razão,
vindos dos sorrisos envolventes
nos momentos de descontração.
Por tantas razões te amei...
Pelo aconchego quando me encontrava
totalmente envolvida em seus braços,
pela carência refletida no teu olhar.
Te amei pelos beijos molhados
e pelas carícias dos momentos de intimidades.
Te amei como a um príncipe
que surge de um sonho desejado,
como o sol das tardes de verão
que tinge o horizonte com cores de amor.
Por tantas razões te amei...
Pela emoção incontida de te ter em mim.
Nas noites frias... 
copos unidos,
abraços mudos,
coração e coração.
Te amei sob a luz da lua,
quando as estrelas conspiravam falando de nós.
Por tantas razões te amei...
Pela vontade de uma vida compartilhada,
de te esperar,
de te compreender,
de te ter,
e de cada vez mais te amar
com a melhor essência da minha alma.
Por tantas razões te amei...

-Lenilce Azevedo

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Devaneios....



Devaneios....

"Estava em tudo e em nada
Em todos os lugares e em lugar nenhum
Se via nas asas de um beija-flor
Nas águas salgadas do mar
Num beijo de amor...
Estava naquele botão da rosa que não abriu
No dia que voce partiu
Na hora exata que tudo parou
No aceno que o tempo levou
Se via no silêncio que tudo dizia
E na palavra vazia...
Se sentia nos acorde de uma sinfonia
No choro calado que doía
Nos risos de alegria...
Estava nas doces surpresas do dia
Num olhar que teimava em falar
E na boca que jurava não dizer
Estava no entardecer
No crepúsculo lilás
Nas violetas do jardim
No aroma da pimenta
Nas entrelinhas de uma poesia
E quando finalmente nela anoitecia..."

(Dina Isserlin)

domingo, 11 de janeiro de 2015

NÃO CHORO POR TI...





NÃO CHORO POR TI...

Não choro por ti,
choro por mim.
Por mim,
que fiz desse amor
uma mandala
e hoje
é fruto da decepção
que com paixão
a minha alma resvala.


As lágrimas formaram
um lago
e afogaram a pureza
da minha fantasia,
e eu sufoco
dentro de meu Ser
a menina que para 
o mundo sorria...

Por isso choro
por mim;
sofro a infelicidade
do instante
em que te conheci
e agora, numa
arrogância brutal
atiras-me sem dó
nesse inferno letal...

E eu entre soluço
expulso,
de mim, aquela imagem ideal.

ROSE AROUCK

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Pedaços de lua




Pedaços de lua

Amanheceu um sonho
Interminável madrugada
No clarear do dia
Relembrando momentos
Irreais! Sombrios! Inquietantes!
Tão densos de seus mistérios
Não poderia deixar passar
A sede de descobrir teu íntimo mistério...
Que mesmo ao longe, mexe com os sentidos.
Despe a alma, corada, sinto-me nua...
Como se adivinhasse
meus segredos e fantasias.
Olho para o céu, sinto-te poema
E vejo a lua se desmanchando em versos
Derramando flashes iluminados
Sobre o amor que existe em mim
E me desfaço em pedaços
Pedaços de lua.

Su Simon