.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Nota silenciosa....


Nota silenciosa....

Ah, o silêncio... Não conheço nenhuma forma mais profunda de emoção latente. Aquele olhar de uma criança que nada entende, o vazio de um quarto que dorme, o eco que enquadra um campo... Ele sempre me cabe, me aquieta, me preenche, como gotas pequenas de orvalho que juntas formam um filete de água límpida acordando aquela pequena flor nascida em algum vão de terra. Por vezes, encho minhas mãos de silêncio e o faço ninar em meu peito, a fim de que ele nunca fuja e que ao meu redor a paz trazida seja sempre recorrente. É no silêncio que meus versos nascem, minha dor se acalma, meu amor multiplica... Como se eu parisse sentimentos sem dor, visse todas as cores que o escuro contém, experimentasse a incrível certeza de viver plenamente minha própria alma. Não há de se ter receio de vivenciar o silêncio. Não é nenhuma dor algoz, nem sangra em prantos, é apenas escolha, são sonhos em folhas que sanam enganos. E nos gritos do silêncio, que quebram todas as janelas do peito, enfim, posso nascer reinventada, sentir todos os cheiros, praticar todos os verbos... E assim caminho, cerzindo meu silêncio ao meu amor mais profundo, numa mistura estranhamente perfeita que faz disso tudo, meu melhor e maior barulho!

Ka Santos

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Ando tão sozinha



Ando tão sozinha 

Ando tão sozinha dentro dessa multidão que começo a me acostumar com o inanimado. Será que os sons que não ouço foram mesmo pronunciados? Dentro dessa cratera de andarilhos vejo sombras que fogem. Fogem de mim e do medo que absurdamente não sinto. Onde estarão minhas armas? Porque perdi meu caminho, meus sonhos e minha agenda? Fico perplexa diante do espelho que não reflete meu sorriso, porém ilumina minha dúvida. E nas largas passadas rumo ao destino percebo que deixei todas as malas e trouxe somente meus desejos. Não me importo, não sou apegada a bobagens. Me apego, me agarro e me rasgo por sentidos. Sentidos de plenitude que nunca tive; de equilíbrio que deixei numa escada alta; e de pensamentos brandos e serenos que cabem dentro de um vidro. E na caminhada encontro pontos intermitentes de luz: sinalizando meu espírito bifásico, bipolar, bivalente. Toda minha viagem me parece tremenda e nem sempre é... Possuo a estranha característica de aumentar o tamanho das coisas em proporções distorcidas: deve ser pelo meu medo da matemática. Mas as trilhas, os destinos, as viagens tornam-se sem ângulo algum e repletos de retas inexistentes. Minha paixão pela lua fez tudo em mim, circular. Por isso minha estranha solidão tende a voltar e voltar e voltar... Vivo nessa intensa esfera de sentir-me só e de ser só. Acompanham-me apenas meus simples versos. E neles transbordo meus nãos e meus vácuos. E dentro dessa multidão de normais, coloco meu silêncio no colo, visto as asas deixadas no beiral da telhado, guardo meu enorme “compasso”, e confesso: ando tão sozinha... 

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

MEU JEITO DE SER




MEU JEITO DE SER

Tenho me vestido e me revestido de autenticidade
Mostrado o meu lado mais puro e verdadeiro
A minha sensualidade nunca ultrapassa os limites
E a minha sensibilidade muitas vezes é exagerada
Mas não sou como cristal
Que não pode ser quebrado
E nem como uma seda,
que não pode ser rasgada
Tento evitar os meus conflitos e questionamentos
Tento viver tudo em seu tempo
Quem tenta me conhecer, vê em mim uma barreira
Mas quando se torna íntimo
Me encontra sem fronteiras
Muitas vezes pago "mico" e dou "bandeira"
Para as coisas que me cercam
E me chamam atenção
De início, não olho nos olhos,
Me sinto tímida, então desvio a minha atenção
Mas quando passa a timidez, encaro com discrição
Um olhar de ternura me atrai,
Mexe comigo e me sucumbe
Tento absorver os meus próprios sentidos
E decifrar os meus enigmas
Sem nenhum estigma
Sou um poço de emoção
Me transtorno, me exalto
Quando me perturbam o coração
Mas fecho os olhos e coloco cada coisa em seu lugar
Então retorno ao meu eu e volto a me habitar
Gosto do jeito que sou e não pretendo mudar
E quem se propuser a me amar
Assim vai ter que me aceitar
*Sandra Leone*

Eu Ainda Amo Você!




Eu Ainda Amo Você!

Noite clara, lua linda
estrelas brilhantes enfeitam o céu
eu estou triste, só ...
Sinto tua falta!

Hoje, eu preciso muito de você
na minha tristeza choro tua ausência
o aconchego de seu colo que eu perdi.
Tolo de mim, eu era feliz e não sabia.

Hoje, te busco em vários rostos e sorrisos
onde está você metade de mim?!
Minha alma em silêncio grita teu nome
hoje mais que nunca,
eu queria você aqui comigo.

Sabe amor, estou triste e cansado, muitas dores
não sei ficar sozinho, sem você é ruim, volte...
Meu coração reclama, chora a falta do teu
eu te busco, te caço em outras pessoas
não te acho e enlouqueço, eu ainda te amo.

Volte, sem você não dá para eu viver
pense em tudo que vivemos juntos
lindos momentos, de paixão e ternura.

Tudo na vida tem um recomeço, volte...

Eu ainda amo você!

*Joe Luigi*

sexta-feira, 15 de julho de 2016

QUERO UM MAR DE AMOR



QUERO UM MAR DE AMOR

Quero navegar em um mar de amor.
Conhecer um horizonte lindo, 
onde o céu azul 
e o infinito amar se fundem.
Quero navegar em um mar de amor,
com ondas calmas de ternura,
sem tristezas por saudades,
pois de mim já se foi a solidão.
Mar de amor é assim,
com brisa leve de carinho
e ventos fortes de paixão.
Nas águas feito cristal,
quero soltar as amarras
deixar levar minh’alma sem rumo, 
em busca de aventuras e sensações.
Sob nuvens brancas, 
navegando em meus pensamentos,
com todo amor que transborda em mim,
quero sonhar todos os sonhos
e acreditar que são verdadeiros.
Quero um mar imenso em olhar
a acalmar a emoção,
que invade o meu coração
de renovadas esperanças.
Quero um mar de amor.

*Lenilce Azevedo*

sábado, 9 de julho de 2016

**Toma-me...**



**Toma-me...**

Toca-me na lembrança...
Sob esta vidraça molhada pela chuva...
E esta saudade constante... Em pedaços...
Sem palavras... Nem murmúrios...

Debruço-me na janela lanço-me nas caricaturas
Dos pingos que escorrem... Inquieta...
Na mesma paisagem... Viajo
Numa estrela qual um devaneio, uma fantasia...

Toma-me... 
Embriaga-me com tuas palavras...
Mostra-me todos os mistérios de
Teu corpo... E do teu coração...
Faz do meu corpo abrigo do teu... 
Faz-me terra... Sedenta de sol e ar...

Toma-me amor... Toma-me!

*celina vasques*

quinta-feira, 16 de junho de 2016

Autoconhecimento *****



Autoconhecimento

De tanto buscar-me, encontrei-me perdida...
Entre argumentos que não sei usar,
escolhas que não sei fazer,
absorvida pelos desejos que não ousei viver.
Encontrei-me na ponta da faca que rasga a alma,
no sulco da pele ferida,
que quase morta, anseia o toque da vida.
Resgato a consciência de mim, do tempo que passa
não sem razão, mas que faz de minha espera
quimérica profecia que nunca se cumpre.
Há entre o que me tornei e o que ainda serei,
enigmas que surgirão a compor esse ser que fita
os olhos da covardia e reconhece seu maior inimigo
no reflexo do espelho, que sábio, sussurra de volta:
“Conhece-te a ti mesmo”.

*Gil Façanha*

Conhece-te a ti mesmo" é um aforismo grego que revela a importância do autoconhecimento, sendo uma frase bastante conhecida no ramo da Filosofia. Não há certeza absoluta em relação a quem foi autor desta máxima, mas há vários autores que atribuem a autoria da frase ao sábio grego Tales de Mileto. Apesar disso, existem teorias que afirmam que a frase foi dita por Sócrates, Heráclito ou Pitágoras. O aforismo "Conhece-te a ti mesmo" está inscrito na entrada do templo de Delfos, construído em honra a Apolo, o deus grego do sol, da beleza e da harmonia.
A frase completa é: "Conhece-te a ti mesmo e conhecerás os deuses e o universo."