terça-feira, 27 de outubro de 2009

BAILANDO NA VIDA


BAILANDO NA VIDA

Visto-me de vida , remendo-me!
Atravesso atalhos sem rastros.
Espio pelas frestas do tempo
que preenchem meus espaços.
Procuro-me por fora
pois não caibo dentro de mim.
É tanta a bagagem da vida
que parece não ter fim.
A maçaneta está gasta
e range a porta do coração.

Nos pés o bailado da vida
e a furia do arrastão.
Ainda se for quimera
que a vida é prá ser feliz,
vou ficar na minha loucura
e não mudarei nem um triz.
Quero é mais morrer na praia
depois de enfrentar a maré.

Ainda que a minha única arma
seja eu não perder a fé.
Pois quem sabe, por acaso,
Deus sinta piedade de mim,
e me leve prá porta de entrada
em vez de me empurrar pro fim.

Mell Glitter