segunda-feira, 9 de novembro de 2009

ABRA O SEU CORAÇÃO!


ABRA O SEU CORAÇÃO!

Amor, com pureza
Da alma, reflita,
olhe para dentro de si,
conclua e me diga,
sem receio de me ferir:
O nosso sonho acabou
ou não acabou para ti?
Se sim, vou sofrer,
porquanto, tanto te amo,
contudo, sendo assim,
prefiro de coração o fim,
a continuar a te? possuir?
sem mais de fato te ter.
Por favor não se culpe,
não sofra por mim:
Fomos tão felizes!
Mas, se insistirmos,
sem mais ser bom
para os dois,
erigiremos
e amargaremos
tenazes rancores
e lesivas cicatrizes.
Ninguém nessa vida
está livre disso, podia
ter acontecido comigo,
mas eu te contaria
sem rodeios, para não
te produzir o padecer.
Poupe-me, apenas dos
detalhes, pois se a causa
for uma outra pessoa,
eu prefiro desconhecer!

Antônio Poeta