quarta-feira, 4 de novembro de 2009

AMOR ETERNO


AMOR ETERNO

A tarde estava serena e calma, a brisa era úmida com cheiro de vários
aromas.
A grama verde, de capim fino macio e suave, feito um colchão ornado por
folhas amareladas.
A musica que se ouvia era um misto de silencio profundo entrecortado
pelo cantar de pássaros.
A água que brotava de pedras enegrecidas era translúcida e doce feito
mel de jataí.
No céu de um azul cintilante passeavam nuvens brancas, hora a galopar,
hora a nos mirar.
Era o paraíso e nada mais foi preciso para que depois do riso o beijo
virasse paixão.
Das águas para o chão levado por tuas mãos me pareceu um passo, então.
A noite nos envolveu, as estrelas nos surpreenderam em pleno amor
naquele chão.
Contamos cada uma delas, pra cada uma um beijo, pra cada uma um desejo
que ficou grudado nelas.
Embora sinta saudade, sinto na verdade, que nosso amor foi gravado no
livro da eternidade.

Santaroza