segunda-feira, 16 de novembro de 2009

AQUARELA

AQUARELA

Vejo
uma tela
ainda em branco,
nela coloco meus
sentimentos,
retoco o brilho do
meu ser,
tento colorir meu
senso de humor
preencho as lacunas
com minha fé
dissolvo as tintas
e com cores
astrais
pincelo de leve
as dores e cubro
de calor o meu
coração,
com a cor do amor
pinto ares de mulher,
e para ela não se
esconder,
Disfarço minha timidez
com a cor da sabedoria
e tinjo os meus olhos
de cor um pouco mais forte,
chamariz para
contemplação...
e nela viajo,
vejo tudo, profundo,
e apresento
ao mundo a
minha própria criação.

Betânia Uchôa