segunda-feira, 16 de novembro de 2009

CHUVA E SOLIDÃO


CHUVA E SOLIDÃO

Minha alma chora com a chuva
Que cai insistente lá fora,
Saudade do meu amor,
Saudade de ir-me embora.

Presa entre as paredes da casa
Vou seguindo com minha dor,
Não tenho luz na estrada
Não encontro caminho para teu calor.

Alma nua como me visto
De encantos jogados ao léu,
Sou a fada dos teus sonhos
Nunca sou apenas uma mulher.

Que ama, chora e sente
Desejos por teus carinhos,
Calor de tuas mãos,
Corpo quente me cobrindo do frio.

Estou na vida estática
Parada sem teu amor,
Sou distância entre dois mundos
Mulher serena enterrada no escuro
De nós dois.

Márcia Rocha