terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Ah!... O Amor!


Ah!... O Amor!

O amor às vezes chega de mansinho.
E vai tomando todos os espaços.
Enche de risos nossos rijos traços.
Cobre de luz o breu de nosso ninho.

Ao retirar as pedras do caminho,
Dá segurança que nos guia os passos
E encantados os nossos olhos baços
Só vê as rosas, nunca os espinhos.

Ate que um dia sem nenhum aviso
Ele se vai sem qualquer razão.
Levando a cor, a luz, o passo, o riso,

Deixando a vida sem nenhum sentido
E ainda aquela triste sensação
...Que era melhor não tê-lo conhecido...

(Jenário de Fátima)