terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Esse amar é minha paz


Esse amar é minha paz

Pode ser que entre nós
Não exista quase nada
Que os olhares que nós demos
Nunca virem duas palavras

Pode ser que tudo é vão
Que assim é vã a espera
Pode ser que entre nós
Nunca existam primaveras

Pode ser que o nosso encontro
E sua grande infinitude
Nunca passe de quimera
Seja apenas - gesto rude

Pode ser que seja isto
Pode ser um pouco mais
Mas até eu concluir
Esse amar é minha paz

(Adriano Hungaro)