domingo, 10 de janeiro de 2010

Chuva mansa...


Chuva mansa...

observo através da vidraça
e meu pensamento se perde,
sai mundo afora,
batendo suas asas...

Voa tão alto, que vai ao teu encontro
pousa ao teu lado e fica a te observar...
estás perdido em pensamentos vagos
olhando para o vazio que se faz...
doce melodia
que a natureza entoa
e no seu gotejar encontro
terna inspiração,
que transformo em poesia

Mas como todo sonho é passageiro,
me despertas para a realidade,
saindo em busca do teu caminho,
deixando apenas uma doce lembrança
desse instante repleto de candura
no qual me perdi
em devaneios...

Chuva mansa
continua caindo lá fora...

Regina Azenha