sexta-feira, 29 de janeiro de 2010


Sombras

Sem estrelas que possam me guiar
Meu grito ecoa na noite tenebrosa
Num tormento da vida caprichosa
Com fúria de ciclone sobre o mar.

Caminho entre sombras misteriosas
Prisioneiro de magoas e desilusões,
Tentando sem sucesso explicações,
Num jardim de espinhos sem rosas.

Levo n'alma amargura e triste solidão
E o clamor de um romântico coração
Que sucumbiu cansado de lamentar.

Esperança perdida na longa espera,
Saudade sem o brilho de primavera,
Do amor que adorei sem conquistar.

Falcão S.R - RJ