domingo, 9 de maio de 2010

O Verdadeiro Amor


O Verdadeiro Amor
Hoje, não consegui
sobrestar de chorar,
parecia inconscientemente
minha alma querer lavar.

O sombrio abandono,
me invade e me assola,
aí recrudesço, me revolto
e o pânico mais me desola.

Nestes dias de minha vida
melhor seria só dormir,
e assim, tentar não purgar
tanto sofrer, tanto pesar.

São nestes transes de amargor,
que mais me ressinto de alguém,
que de fato se importe comigo
e se porte bem e com ardor.

Enfim, de uma diva
que me ligue e diga:
calma, não se aflija
e não ceda à fadiga.

Aguarde-me, estou indo para aí,
vou te dar colo e meu calor,
te falar, te ouvir e te beijar...
Sou o seu verdadeiro amor!

ANTÔNIO POETA