domingo, 22 de agosto de 2010

PHOENIX


Aprendi que nem sempre teremos o
amor que damos, e que mesmo assim
não desaprendemos o amar.
Só se comunica no amor aqueles
que aprenderam o que são os laços
dos afetos, pois quando o amor não
se infunde e não se sente na alma
como bálsamo regenerador, não há
como se abrir ao aprendizado do ser,
do estar para o outro.
A caminhada solo do amor já é maravilhosa,
belíssima canção transforma-se quando em
duo podemos caminhar.
Galgamos as altas esferas do sentimento
maior quando sabemos do sacrifício e do
despojamento que ele requer e não o tememos.
Estás preparado, armado, sagrado para a
batalha em que a alma e o corpo deverão ser
égide e broquel?
O coração de quem ama é uma águia, porque
plana altaneiro, porque mais longe vê, porque
mais a vida plena em amor lhe renova.
Recolho-me como fênix no mais alto cume,
entre poucas flores, entre muitas pedras,
pois descobri em meus longos voos que
um amor qualquer nunca me fez melhor...

- Cacau Loureiro -