segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Loba


Loba

Se me vejo loba em meio a tantas feras
Em silencioso bando, na mata florida,
Parece que aconteceu em outras eras,
De um tempo em que brigava pela vida...

Foi um período, uma vida dolorida,
Que se renovava nas doces primaveras,
Que modificavam as paisagens severas,
Um ontem buscado na mente esquecida!

Meu olhar de loba, passeia pensativa,
E todos notam minha envergadura altiva,
O brilho de minhas presas de puro marfim...

E sendo loba, eu brinco, corro, sou calma,
Ninguém vê o que vai dentro da alma!
Ninguém vê a fera, que existe em mim!

Betânia Uchôa