terça-feira, 25 de janeiro de 2011


Muito de vez em quando a saudade de mim é tanto
Que revisito-me. Há lugares por onde evito passar.
Por exemplo, não visito com muita frequência meu
Coração, não porque não quero, mas há demasiada
Cicatrizes, silêncios do que ficou, esse pesar no fundo
Nada mas é do que a saudade daqueles que amo, amarei.

E é essa desventura que me afasta. Simplesmente não
Sei o que fazer quando estou só. Eu e meu coração,
Eu e a minha eterna solidão. Então prefiro visitar-me de
Tempo em tempos como uma amante requintada, sensível,
Que só pode receber seu amante com o tempo em queda livre,
Assim ao partir não sente sua despedida. Mas eu sinto sempre
Quando o visito. É demasiado penoso para mim o fardo da saudade.

Gleidston Cesar