sábado, 26 de fevereiro de 2011

Não podes fugir


Não podes fugir
Vieste ao meu encontro:
ficaste!
Passei a viver
cada dia, cada hora,
com o reencontro.

Ganhámos afinidades,
e se não há reencontro,
sentimos saudades.

Eu estou aqui
e tu aí …
Um distante tão perto,
separado pelo tempo,
unido pelo pensamento.

Na vida,
cada um no seu caminho,
na ânsia,
dos caminhos se cruzarem.

Na vida,
cada um sonha com a felicidade,
vive com a saudade,
de um novo reencontro.

Ainda não quero partir;
não podes,
não podes fugir …

José Manuel Brazão