sexta-feira, 24 de junho de 2011

Deixe-me voar...



Deixe-me voar...

Veja bem
O fato de amar-te tanto não
significa que não me ame também.
Veja Além... Não fui eu!
Foi este coração viajante
que te escolheu. Veja só...
Pensa bem... Plantar-te a
semente do amor em meu sonhos
e agora quer podar?
Veja o que faz... Pela última vez.
Porque implicas tanto se
só quero voar?

Veja o que fez...
Beijei o lenço branco que me
deras para o pescoço adornar.
E borrei com batom vermelho
que usei para te encantar...
Pois nele lágrimas sequei.
Tenho que escolher amar o
mundo ou te amar?
Como pássaro indefeso
Desabei-me a chorar.

O que farei?
Tenho alma de pássaro...
Vejo-me assim tenho que voar.
O espírito que reside em cada
ave reside em mim.
Da águia sou fonte clara e limpa...
Também sol e ar.
Qual um cisne tenho que
cantar até morrer não posso parar.
De faisão faço-me dia
vendo o sol nascer.
Adormeço qual íbis durmo
nos braços da lua

E por isso não posso ser tua?

Marisa Torres