segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Hoje vou desabafar


Hoje vou desabafar

Hoje vou desabafar
Espraiar toda paixão represada
No meu peito
Ecoar este grito contido até se
Perder pelo infinito
Contar das noites que te procurei

Hoje vou desabafar
Espraiar toda paixão represada
No meu peito
Ecoar este grito contido até se
Perder pelo infinito
Contar das noites que te procurei

Em sonhos vazios
Dos dias intermináveis de sol desbotado
Gritar meu desabafo!
Abrir meu coração e derramar sem censura
Minha emoção
Quero dizer que o amor que te tenho
Não é uma encenação
Que as tormentas da minha alma estão
Se degradando
Que me renovo a cada dia na tua leve
Jovialidade
Porque sei!
Que quando teus olhos se desviam de
Mim
Quando tuas mãos se alongam das
Minhas
O palco da minha vida torna-se irreal
Meu coração emudece
As corti nas da alegria se fecham
Como num ato final!

Teresa Improta Monnier