quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Tua tempestade


Tua tempestade

Tentando aplacar-me a sede
eu bebo da tua tempestade.
E teus ventos me lançam pra tão longe de mim!
Perdida procurando abrigo
desprezo a louca e desesperada
fuga das horas.
Tentando prever-te a qualquer preço
já não me reconheço,esquecida de mim.
Mas vou perdendo-te,e assim vou transbordando.
Até sentir meus dias tendo fim.
E a vida é um nó que logo em mim desata.
Vivendo em ti eu vou morrendo em mim...

Viviane B. Pinheiro