sábado, 8 de dezembro de 2012

Liberdade!



 Liberdade!

Solta estas amarras!
Larga!
Deixa o ar vir!
Deixa entrar e sair!
Volta por onde sais!
Não feches mais
Não apertes
Não sufoques a mordaça!

Esvai-te!
Esfuma-te!
Evapora gelos que queimam
gelam e enregelam
o sangue purpura ardente
que corre por estes sinais!

Pára!
Submete teu ego!
Descontrola!
Corre
Foge!
Acolhe e recolhe os braços
dos atos dos teus pensamentos!
Desterra!
Desbrava!
Põe fim ás correntes
de todos os teus sentidos!

Abraça!
Acomete!
Grita!
Silencia vozes
ouvidos sustenidos
emprestados e roubados
pela ira!
Revolta e anima a alma
que se endurece e derrete
como adoça e azeda
e adormece
no soltar deste grito!

Maria Morais de Sa