terça-feira, 19 de março de 2013

Fim do fim

Fim do fim

Estamos chegando cada vez mais perto do fim
Eu e você nunca formos nada além dos meus sonhos
Agora a hora chegou, mas você nem viu
Do rio agua nos meus olhos tristes
Chuva no meu quarto, agora eu fiquei sem sol.
Todas as velas se apagaram baby...

Em passos lentos te vejo de longe
Mas eu, eu simplesmente não consigo de acompanhar.

Vivo os lamentos, mas o mundo é grande de mais.
Para se viver num lugar só sem amar
As madrugadas me molham com gosto de silencio
Precisarei encontrar o tempo
Preciso rever minhas flores

..Não te poderei achar, simplesmente não te poderei abraçar...

Com a alma escoltada por vagalumes
Ficarei de longe botando em versos
Do que é que é feito os sentimentos

Tua alma nunca me viu, teu olhar nunca me percebeu
Mas também nunca saberá onde se encontra meu porto
Onde repousarei minha alma desassossegada

Seguirei no ar rumo ao distante
Conversarei com o mesmo sol
Que te ilumina, meu amor.

Eu vivo no vento que te seca a pele,
Eu sou a tempestades que se foi

E se um dia se lembrar de mim,
Não esqueça que perdi as contas das vezes que sonhei com você
Comtemplei teu olhos e desci os morros do amor

...Agora que saltei tuas asas te quero imaginar voando...

Agora poderei ir sem medo do abandono
E as feridas que me deixou o amor
O tempo talvez cure
Conversei com minha alma
Que não quero espalhafato
Preciso de paz!

Se você quiser, olhe a lua que olho.
Ela sabe dos nossos segredos
E, se quiser, cante pra ela

Não se preocupe, com os exageros
E as loucuras da minha alma.
Ela simplesmente não voltará mais

...Desejo que alguém tenha a sorte que não pude ter...
Desejo que alguém também esquente minha pele

Vou descansar!
Tentar dormir!
só agora.
Consegui apagar as velas que estavam acesas
Na minha sala de jantar.

Bia Lira