quinta-feira, 21 de março de 2013

NÃO CHORES …



NÃO CHORES …

Não chores
para que me afogue nas lágrimas
dessa noite escura e fria do teu olhar.

Os dias que na tua alma são de chuva,
no meu corpo são eternas eras de tempestade.

Não destiles o teu ser em nada,
repousa os teus olhos dos dilúvios
que te entrançam ao vazio da saudade.

Deixa-me satisfazer-te os lábios
com sorrisos e beijos nossos de amor,
com silêncios onde ouvirás novos fôlegos.

Entrega-te ao alento
que o amor em nós derrama,
acende a chama deste sol de quem te ama.

Sente o sopro íntimo
do meu vento a espalhar em ti o amor,
a espelhar em ti as estrelas do meu pensamento.

Não te sintas triste,
torna-te a primavera das minhas flores,
sejas tu os frutos frescos das minhas árvores,.

Voa com os pássaros de sonho
que fazem ninho e procriam no nosso abraço,
dá-me vida como se fosses o sangue do meu tempo.

Não chores,
não percas o tempo nas sombras,
renasce dessa dor cinzenta que te pune,

impõe limites à escuridão que te enclaustra
intoxicada de solidão por venenos de tristeza e dor.

Abriga-te no meu regaço,

cala as tristezas com as carícias que te faço,
encurta a distância deste a dois
que jejuas nesse sofrimento.

Henrique Fernandes