quinta-feira, 11 de abril de 2013

Meu abrigo


Meu abrigo

Dentro de mim canta um silencio triste
Nada lá fora me interessa, nada existe
Vem à minha mente lembranças antigas
Acompanhada da solidão, minha amiga

A tanto tempo nós estávamos separadas
Eu encontrava-me feliz e apaixonada
Não havia lugar pra ti, na vida minha
Mas agora encontraste-me, triste e sozinha

Ah amiga solidão... sempre tão carinhosa!
Estende-me os braços, gentil e afetuosa
Sentindo-me carente, aceito a oferta generosa
E deito-me em seu colo, tristonha e chorosa

Não! Não quero relação estreita contigo
Perdida em tristeza, espreita-me com perigo
Preciso amor, dos teus braços... meu abrigo!
Salva-me da solidão... livra-me desse castigo!

Nádia Santos
Recife-PE