segunda-feira, 13 de maio de 2013

Ausência de cor

Ausência de cor

Todas, as cores do meu interior
Estão fora de prazo e em temor

Não trovam nem vacilam
Rastejam, lentas, ao sabor da madrugada

Se eu tivesse asas, ténues
Voava até encontrar, a Primavera
E deixava de vez, este instante

Os minutos ficam, tensos
A boca sofre e narra, um lamento, constante

Tenho-te sem te ter
Sinto o teu perfume

Disperso e incompleto, na ânsia da minha alma

Preciso, de ouvir
Certas palavras
Que o pensamento, fala

Cessar esta sensação deslumbrante, com sabor a pecado

Esquecer certos devaneios
E recordações… que demoram.

Abandonar o teu sopro
Esquecer que vivemos, palavras
E agitamos fantasias da cor do sol

Preciso de encontrar o arco-íris
E encher o místico infinito

Tingir a boca com saudade…

E nos lábios, um sorriso ausente
De monja…

Telma Estêvão