sexta-feira, 23 de agosto de 2013

QUEM SOU?


QUEM SOU?

Ouça-me meu bem!
E se não puder ouvir-me
Sinta-me
Não como luz a aquecer as trevas
Mas como uma fagulha
Querendo transformar-se em clarão
Em raios de sol para aquecer o verão
Veja-me meu bem!
Mas se não puder ver-me
Pense-me
Não como um "ser" impreciso
Nem mesmo como uma santa querendo
encantar o paraíso
Pensas que estou calada
E que por vezes não sinto nada?
Que não sei quem sou?
Então descubra-me e diga-me
Onde estou?
Sou gota de água a chorar-te
Sou rio a sorrir-te
Sou mar a amar-te
Estrela em torno do sol
Sou escuridão e sou farol
Sou o norte das embarcações
Mar que só você navega
Mesmo que não haja vento
Nem bússola
Nem tempo
E que em meio a imensidão
Reste apenas o silêncio.

Teresa Improta Monnier