quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Ser eu!



Ser eu!

Hoje parti
para onde não quis ir
me despedi
daquilo que nunca tive
e abracei
o peito que já foi livre!

Doí a pedra que atiro
para longe dos meus olhos
e do sonho que vive.

Deixo de entender
porque nascem as flores
porque morrem os amores
e a vontade de mim!

Talvez seja a abundância
do descrédito ou da confiança
que nunca chegou a nascer!

Ter fé e só ser eu
mais do que dei
ou recebi
quando tudo
tem um porquê
para ter princípio
e ter um fim!

Maria Morais de Sa