segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Os gritos do silêncio




Adoro o silêncio
nele visito minha alma
encontro meu destino
perco meu caminho...

Me silencio em horas pares
os inversos não me cabem
nem se percebem em mim
são dores azuis que não temem
simplesmente amadurecem
sonham
resplandecem...

Busco flores naquele vácuo
vejo-me em cada quadrado
seus sons são gritos
e gritos apenas
são gritos...

Meu silêncio cheira anis
espalha seu doce sabor
tem mãos afáveis
é cheio de prováveis
são caminhos débeis, sem fins

E nessa morada bem-vinda
sou o repente
sou a rima
subo em toda calçada
ouço cada toada
visto as asas da menina

E quando o possível se for
e o silêncio apagar
serei apenas eu
respirando ilusão
esperando acordar...

Porque em cada minuto de meu silêncio
estarei lá! Serei Eu e as horas ímpares...

Ka santos