sábado, 28 de junho de 2014

APELO DO AMOR



APELO DO AMOR

Eu sou como o sol,
que aquece e ilumina,
dando vida a tudo que toca,
trazendo a esperança.

Como pedra preciosa eu sou,
que jamais perde seu valor,
por mais que lhe deem formas,
por mais que a lapidem.

A essência eu sou,
de tudo que tem vida,
em tudo eu me encontro,
e sou sempre o mesmo.

Mas aí de mim,
quando não sou compreendido,
quando não sou respeitado,
quando sou violentado.

Nuvens cinzas se formam,
repletas de dor e mágoa.
me escondo por trás delas,
o meu brilho se apaga.

Já não aquece o meu calor,
perco o meu valor,
minha essência eu recolho,
a desesperança é o preço.

A vida se esvai,
tudo perde sua beleza,
o egoísmo impera,
o coração da terra se revolta.

Os mais fracos pagam o preço,
da humanidade desumana,
cultos ignorantes,
do mistério da vida.

Contudo basta um coração singelo,
para as nuvens se esvaírem,
retornando o meu brilho,
o meu calor a tudo aquecendo.

Difícil é para o homem entender,
que sem mim nada são,
se tornam destruição,
até a si mesmo destruírem.

 - Luconi -