domingo, 22 de fevereiro de 2015

Amor da minha vida





Amor da minha vida

Por amor amar sem medo, 
Dizer sem metáforas,
Numa linguagem simples.
Pois o tempo passou passando por nós,
E sem olharmos, olhamos uma flor.

Que meu beijo não seja simbólico, 
Mas que tocamos ao tocar e assim voar,
Notar cada nota tocada ao vento,
Sobre nuvens num espaço infinito,
Pois não tenho vergonha de dizer,
E se quer saber, o sábio diz...
Não por ser sábio:
Mas por querer ser feliz.

Vou chamar o pianista. 
Esta noite quero a canção mais bela,
Para mostrar o que sinto,
Quando olho seu sorriso.
Quando olho em seus olhos,
E perco-me no resplendor,
Navegando numa luz mansa,
Encontrando-me em seu peito,
O qual diz sem dizer,
Por saber o que sente,
Porque sabe que me ama.

Amo-te todos os dias, 
E assim sempre será,
Pois se não sou eterno não importa.
O amor o qual eu amo não morrerá.

Por amor, escrevo o amor que desejo,
Quando acordo e te vejo, 
Pois declarar ou gritar,
Para o mundo seria pouco.
Não que eu seja louco.
E se for loucura amar,
Então sou?
Creio que não.
Pois alegria nasce ao nascer do dia,
Trazendo amor, paz, esperança,
Depois de uma noite fria.
Então em vez de gritar,
Vou dizer todos os dias:

Bom dia, amor da minha vida.

Anderson Gouvêa