segunda-feira, 29 de junho de 2015

Esqueci teu nome!!


 
Esqueci teu nome!!

Foi estranho te buscar na memória...
Tu que por tanto tempo me preencheu.
Havia há pouco, as cicatrizes da nossa história,
A certeza que teu amor já não sou eu.

Deixei em minha saudade, tua lembrança acostumada,
Recordações que me tomavam de refém.
Aprisionavam minha esperança algemada,
A essa crença que sem você não sou ninguém.

Sangrei o peito no momento da partida,
Na despedida, minha voz silenciou.
Teu frio golpe deixou minh’alma tão ferida,
Que parecia ser eterna aquela dor.

Mas o tempo, meu querido, a sua maneira...
Trouxe consigo uma verdade a me espantar:
Que ao final da dor cruel e derradeira,
Até teu nome, ele tratou de me levar.

Gil Façanha