quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Não entendo a razão


Não entendo a razão

Não entendo a razão
Do desatino dos ventos,
Que teimam em se fazerem vendavais
Arrastam tudo que têm pela frente,
Levam até sentimentos puros
Que na brisa serenavam
E se aconchegavam no recôndito da alma!

Não entendo a razão
Deste soprar desenfreado e intempestivo,
Que sufoca o peito das tardes calmas,
Esmorece a alegria do sentir
Das noites românticas do luar!

Não entendo a razão
Desta tempestade imprevisível,
Que se solta louca, como borrasca,
Arrepia-nos a pele, num angustiante frio,
Comprime o peito numa dor calada
E nos desalenta em pensamentos vazios
Perdidos em marés de dúvidas!

Não entendo a razão
Porque o amor é tão complicado...
Por razões que a razão não entende,
Perdem-se instantes de felizes momentos,
Porque ervas daninhas, pequenas,
Surgem inesperadas e inocentes 
No jardim florido
Da paixão e do bem amar.

*José Carlos Moutinho.*